Arquivo da categoria: Subir para o surfski

VOLTAR A SUBIR PARA O SURFSKI – SUBIDA LATERAL

Falámos sobre a subida por trás neste post e agora vamos falar sobre a subida lateral.

É aquele que mais se vê e é uma entrada lateral no surfski. Quando se domina bem esta técnica é a forma mais rápida de voltar a subir para o surfski.

1º PASSO
Igual ao da subida por trás. Podes ver AQUI.

[A posição da pagaia pode variar. Podemos agarrar a pagaia ao longo do surfski com a nossa mão que está mais afastada e que agarra a parte lateral do surfski.]


2º PASSO
Também igual ao da subida anterior. Podes ver AQUI.

[Com a prática o movimento pode ser contínuo sem precisarmos de fazer uma pausa depois do impulso inicial.]


3º PASSO
Puxamos o tronco para cima e rodamos o corpo para que o rabo fique no assento e as pernas de fora do surfski.

O rabo tem de ficar no meio do assento para que não fiquemos sentados na lateral do assento do barco. Se isso acontecer o surfski vai inclinar e é muito difícil recuperar dessa posição, tendo de reiniciar a subida. Depois colocamos uma perna de cada lado do surfski e estamos prontos para remar. 


[Quem se sente à vontade em termos de equilíbrio ou quando não há vento e ondas não é necessário colocar uma perna de cada lado do surfski. Fazemos como o Oscar Chalupsky faz neste vídeo e ficamos logo em posição de voltar a remar.]

Este tipo de subida é mais difícil para quem está a aprender ou em situações extremas porque podemos ficar sentados na lateral do assento a empurrar o surfski para baixo e assim torna-se muito difícil voltar a entrar no barco tendo de reiniciar o movimento.

Desta posição vamos rodar o tronco para colocar o rabo no assento e as pernas de fora.
O rabo tem de cair meio do assento para não ficarmos sentados na lateral do surfski.
Agarramos a pagaia com as duas mãos e colocamos uma perna de cada lado do surfski.
[Quem se sente à vontade em termos de equilíbrio ou quando não há vento e ondas não é necessário colocar uma perna de cada lado do surfski. Fazemos como o Oscar Chalupsky faz neste vídeo e ficamos logo em posição de voltar a remar.]

VOLTAR A SUBIR PARA O SURFSKI – SUBIDA POR TRÁS

Existem 2 métodos. A subida por trás que vamos falar aqui e a subida lateral que podes ver nesta ligação.

De todos os elementos de segurança necessários, o conseguir voltar a subir para o surfski é, senão o mais importante, aquele que mais deves treinar, para que em condições extremas consigas voltar a sentar-te no teu surfski sem ajuda de ninguém.

Se não souberes voltar a subir para o surfski vais andar sempre em stress com ondas porque não sabes o que pode acontecer se te virares. É como não saber fazer esquimotagem e quereres fazer águas bravas ou kayak-polo, vais andar sempre mais preocupado com o poderes virar-te e sair do kayak do que com as descidas ou o jogo.


Para alguns canoístas voltar a subir para o surfski é quase inato e óbvia a forma como devemos fazer o movimento. Neste post vamos esmiuçar os detalhes para que todos consigam entender que os pormenores vão fazer muita diferença quando tiveres de voltar a subir para o surfski.

 Mesmo os canoístas que sabem voltar a subir para o surfski sem qualquer dificuldade devem ler este post e ter sempre presentes os movimentos básicos porque canoístas experientes, normalmente, só se viram em condições extremas (com muito vento e muitas ondas). 

Voltar a subir para o surfski em águas calmas é uma coisa, voltar a subir no meio do mar com ondas de 3 metros ou mais e ventos de 30 km hora é outra completamente diferente. Nessas condições, os detalhes vão fazer a diferença entre conseguir subir ou ficar a boiar agarrado ao surfski (se tiveres o leash).

SUBIDA POR TRÁS

1º PASSO
Colocar a pagaia atravessada (perpendicular) no surfski para dar alguma estabilidade. A pagaia fica junto ao finca-pés. Agarrar a pagaia e o foot-strap ao mesmo tempo. Em alguns surfski não consegues agarrar o foot-strap e a pagaia ao mesmo tempo por serem muito altos na zona do finca-pés. Nesses surfskis agarras a parte lateral do barco e com o polegar fazes pressão na pagaia e ela não se move.

Agarramos a pagaia à frente porque, se ficar ao lado do surfski, ao subirmos podemos ficar sentados com as pernas por cima da pagaia ou se a pagaia ficar de lado e não a agarrarmos, a onda provocada pela nossa impulsão (passo seguinte), pode afastar a pagaia do surfski e depois ficas sentado no surfski com a pagaia afastada do barco.
Pagaia atravessada na perpendicular e uma mão de cada lado.

2º PASSO
Movimento mais difícil: a impulsão. Estamos dentro de água e com a mão livre (a outra está a agarrar a pagaia e o foot-strap) vamos agarrar o surfski na parte lateral que está mais afastada de nós com o cotovelo junto ao assento do surfski. 
Puxamos o corpo para cima do surfski e mantemos as pernas à superfície da água para termos mais establidade. Nesta posição com o peito apoiado no surfski e as pernas à superfície, temos um centro de gravidade baixo, estável e confortável. O teu corpo fica perpendicular ao surfski, fazendo uma cruz.

As pernas ajudam na impulsão. O cotovelo dentro do surfski junto ao assento.

Pormenor das pernas à superfície para dar mais estabilidade. O corpo penpendicular ao surfski.

3º PASSO
Passamos a perna por cima do surfski (por trás do assento) e ficamos em cima do surfski. A outra mão vai também agarrar o foot-strap e lentamente (mantendo o centro de gravidade baixo) vamos puxar-nos para o assento. Quando estivermos com o rabo na zona do assento vamos levantar o tronco mas mantendo sempre a pagaia nas mãos e baixamos a pernas para dentro de água para darem estabilidade (funcionando como pêndulos).
Ficamos assim com as pernas na água, as mãos na pagaia e perfeitamente estáveis. Nesta posição basta colocarmos a pernas de novo no surfski e estamos prontos para voltar a remar.

Passar a perna por cima do surfski.

Pernas de lado e ao longo do surfski e mãos na pagaia. Nesta posição estamos estáveis.
Vamos puxar-nos (pelo foot-strap) para a posição correcta com o rabo na zona do assento.
Erguer o tronco com as mãos na pagaia. Pernas dentro de água para dar estabilidade.