Arquivo da categoria: Segurança

INICIAÇÃO AO SURFSKI – EQUIPAMENTO DE SEGURANÇA

Para além do equipamento essencial que já falámos aqui, consoante a distância que vamos fazer, o local e as condições do tempo e do mar, devemos utilizar mais equipamento que garanta uma utilização segura do surfski.
Das conversas que vou tendo com o pessoal que anda de surfski, por vezes aparece sempre um céptico que acha que é equipamento a mais e que não é necessário. Eu fui um dos cépticos durante algum tempo mas depois de passarmos por alguns “apertos” chegamos à conclusão que não é necessário correr riscos.
No surfski nós queremos ondas criadas pelo vento e para isso temos de nos afastar da costa. Estando a remar ao largo ficamos mais vulneráveis do que se estivermos num estuário ou a remar junto à praia. Imaginem que partem um cabo de leme ou a pagaia e estão sozinhos a 2 km da costa, com vento offshore (de terra para o mar). Em menos de 1 hora o vento leva-nos para muito longe da costa. Não custa nada.
Telemóvel:
Levar o telemóvel dentro de uma bolsa estanque. No dia em que estiverem em apuros vão ver que telemóvel é essencial. Não se esqueçam de ir às definições do telemóvel (ANTES de ir para a água) e por em modo “altifalante” e de saber para quem vão ligar em caso de emergência. Um amigo que esteja em terra ou que faça parte do grupo que está convosco na água ou o piquete da Polícia Marítima.
Bolsa estanque
Flares ou Facho Sinalizador:
Os flares são sinais visuais de socorro utilizados no mar, qualquer embarcação que navegue fora das barras deve ter sempre 2 fachos de mão. A Polícia Marítima é bastante condescendente em relação a isto porque normalmente o pessoal anda junto à costa mas quando andamos ao largo o que é frequente nas sessões de downwind não devemos prescindir de equipamentos de salvamento e sobrevivência que envolvam alerta e sinalização e devemos ter um no surfski. Ao accionar eles produzem uma queima emitindo luz encarnada brilhante visível a grande distância, durante cerca de 1 minuto.
Não pesam nada, colocam no vosso colete e até se esquecem que lá está.
Roupa:
No surfski, por ser um kayak sit-on-top, ficamos muito expostos. É importante termos equipamento adequado para nos proteger do frio e o calor.
Para o frio e vento é bom um fato de neopreno com alças. Protege-te as pernas e o tronco do frio e não te restringe o movimento de remada. Existem boas opções na Decathlon a preços acessíveis.
Para o sol e calor umas calças e camisolas de Lycra são suficientes. Claro que queremos sempre aproveitar para nos bronzear, o que é justo, mas tenham cuidado se forem remar muitas horas, especialmente com muito calor e vento porque o sol rebenta com a pele. Não se esqueçam que as queimaduras de sol são passageiras mas os seus efeitos a longo prazo não são porque a pele não esquece os escaldões que sofre ao longo da vida.
Hidratação:
Sobre os benefícios de uma boa hidratação podem ler aqui neste site e não consigo acrescentar mais nada, apenas reforçar que é importante levarmos sempre água ou outro líquido hidratante.
A melhor forma de levar a água é numa  bolsa tipo Camelback. Podem colocar a bolsa de água no colete e o tubo preso na alça para evitar terem de parar de remar cada vez que bebem água. Também podem fixar a bolsa de água ao surfski, nos elásticos atrás ou à frente do finca-pés. Neste caso vão ter de trocar o tubo original por um mais longo. Podem comprar esse tubo no AKI na secção da jardinagem ou em lojas que vendam material para aquários.
Tenham sempre o cuidado de prender o tubo junto à boca porque se o tubo for solto podem perder a água toda sem se aperceberem.
Bolsa de água
Para além do que falámos usem protector solar q.b. e chapéu. Sofrer uma desidratação em pleno mar não é nada agradável.

INICIAÇÃO AO SURFSKI – EQUIPAMENTO ESSENCIAL

O equipamento essencial para a prática do surfski é o próprio surfski, claro, uma pagaia, um leash e um colete de flutuação.
SURFSKI
Sobre a escolha do surfski podem ver mais detalhes aqui. Quero apenas reforçar esta ideia: experimentar antes de comprar. Não comprem nada sem experimentar porque o surfski pode não servir para o vosso tamanho ou podem não ter equilíbrio suficiente para o modelo.
Cada vez há mais gente a pagaiar de surfski e começamos a ver algumas propostas interessantes no mercado de 2ª mão. É uma boa opção para quem se está a iniciar. No facebook existe a página Kayaks– vendas e trocas de usados, dedicada ao material de canoagem em 2ª mão, façam uma visita.
PAGAIA
A escolha da pagaia, tal como a escolha do surfski, só tu a podes fazer. Não existe uma pagaia perfeita. O modelo que é do agrado de uns pode não ser do agrado de outros.
Para te ajudar vamos indicar as variáveis que podem influenciar a tua decisão.
Comprimento: A pagaia de surfski é mais curta que a do K1 de competição e de kayak de mar. Em K1 a maioria dos atletas utiliza entre 215 e 219 cm, enquanto que no surfski a maioria utiliza 208-215 cm, incluindo os atletas de topo com mais de 1,80 mts.
É consideravelmente mais curta do que as pagaias para kayak de mar e para K1 de competição porque no surfski vamos sentados muito abaixo da linha de água e por isso não precisamos de uma pagaia tão comprida. E também porque o tipo de utilização obriga a uma pagaia que permita alterações frequentes e muito rápidas de ritmo (sprint-descanso-sprint-descanso quando vamos em downwind).
A largura do surfski também afecta o comprimento da pagaia. Quanto mais largo for o surfski mais comprida terá de ser a pagaia (dentro do limite de 215cm). Uma pagaia maior permite remar sem bateres com as mãos no surfski o que é mais confortável. Uma pagaia muito curta vai exigir algum esforço para colocar a pá toda na água.
O estilo de remada também condiciona o comprimento. Se a nossa cadência de remada for rápida uma pagaia mais curta ajuda. Se a nossa remada for mais pausada, com menos cadência, uma pagaia mais comprida vai exigir menos esforço.
Formato da pá: o melhor é o formato wing que parece a asa de um avião. Quanto aos tamanhos e modelos existem ainda mais do que os modelos de surfskis e todos os construtores portugueses têm ofertas para vários gostos. Por norma são utilizadas pás grandes para distâncias curtas e pás mais pequenas para longas distâncias. No surfski utilizam-se pás pequenas para longa distância porque ajudam nas alterações de ritmo necessárias para surfar as ondas. Algo entre os 680 e os 750 cm2 é o ideal.
Exemplo de várias pagaias
Tubo: Existem 2 tipos. Inteiros e com sistema. O sistema tem a vantagem de permitir mudar o tamanho da pagaia e o ângulo das pás. O tubo inteiro tem a vantagem de não precisar de manutenção.

Exemplo de sistema
Construção: Há pagaias de madeira, fibra de vidro, carbono, alumínio e plástico. Vamos simplificar a escolha. Quanto mais leve a pagaia for mais fácil será remar com ela e ao fim muitos km’s uma pagaia leve vai fazer muita diferença
.
As pagaias de carbono são as mais leves e porque são muito resistentes duram bastante tempo (vários anos). Custam um pouco mais mas a diferença de preço por vezes compensa. Para o surfski o ideal é uma pagaia com pás de carbono e tubo de fibra de vidro ou um misto de fibra de vidro/carbono.
E para finalizar sobre a escolha da pagaia podem utilizar um teste disponível na página da EPIC  chamado Paddle Wizard que indica a melhor pagaia consoante as nossas características. Se não quiserem comprar dessa marca, basta adaptar as características da pagaia sugerida aos modelos que existem no nosso mercado (ou outro).
LEASH
Um leash é um cabo que te prende ao surfski à semelhança do surfista que está sempre preso à prancha de surf. É constituído por uma cinta que se prende à perna (geralmente entre o joelho e o gémeo) e por um cabo que fica preso ao surfski – normalmente ao foot-strap ou a um ponto de amarração próprio para esse efeito.

Exemplo de Leash preso ao surfski
É um elemento de segurança essencial no surfski porque caso te vires no mar com vento e ondas, vai permitir que fiques sempre agarrado ao surfski. Caso não uses um leash e te vires podes facilmente perder o surfski e ficar a boiar longe da costa agarrado à pagaia. Quem já passou por essa experiência sabe que nadar com uma pagaia não é nada fácil.
Lembra-te sempre que os surfskis são barcos grandes e estanques. Se te virares num kayak “normal” ele mete um pouco de água, fica mais pesado e perto de ti, os surfkis, pelo contrário, não têm poço e não metem água e quando são “pegados” pelo vento, nunca mais os vês.
Há quem use leash também para a pagaia – liga o tubo da pagaia ao surfski.  Eu uso apenas um leash para o surfski porque sempre fui ensinado que o canoísta nunca larga a sua pagaia e fiquei sempre com esse hábito. A maioria dos modelos vendidos em Portugal, já começa a trazer um local próprio para prender o leash.
Tens leashes disponíveis aqui e também podes encontrar na Decathlon e Sport Zone a preços acessíveis.
COLETE DE FLUTUAÇÃO
O colete de flutuação é obrigatório e não deves usar apenas quando o mar “está mau”. Deves usar sempre. Não deveria ser necessário dizer as vantagens mas aqui ficam algumas, caso caias à água: ajuda-te a descansar se não conseguires voltar a subir logo; mantém-te a cabeça fora de água em caso de mar muito picado; tem um efeito psicológico se fores enrolado nas ondas de rebentação porque sabes que vens à tona mais rápido. Para cairmos basta uma distracção ou até uma indisposição. Usem!!   
Deve ser um modelo próprio para a canoagem que não te restrinja o movimento de remada. De preferência ter uma cor viva que se veja bem na água e uma bolsa para colocar o teu equipamento de segurança: telemóvel, apito e água. Sobre o equipamento de segurança vamos falar noutro artigo.
Os construtores portugueses vendem coletes próprios para a canoagem e a Decathlon e Sport Zone também têm vários a bom preço.